Um novo caminho

Não sei se posso dizer que sempre fui cristã. Passei quinze anos congregando na igreja que minha mãe havia me criado, até que, por não concordar mais com as regras de lá, eu achei melhor sair.

Mas eu não simplesmente saí. Eu me joguei. Me afundei. Não é como se eu tivesse virado uma drogada ou uma prostituta, mas uma vez que você conhece a Boa Nova, tudo o que difere dela vira um mar de lama e maus momentos.

Foi num dia, voltando bêbada pra casa, depois de mais uma choppada da faculdade, que eu percebi. Ou, talvez, quando, às 2h da manhã, percebi que estava na Lapa e que só queria me teletransportar pra minha cama, porque aquilo não fazia sentido pra mim. Ou, ainda, durante minhas muitas noites em claro, sofrendo de depressão e ansiedade, dedilhando minha vida e vendo que eu precisava de uma mudança imediata.

Então eu decidi e pronto, tudo estava acabado.  Listei mentalmente tudo o que precisava mudar na minha vida, tudo o que precisava sumir e os novos hábitos que precisava cultivar. Foi um processo doloroso e delicado, porque quando se está acostumado a ter o controle da vida nas mãos, é muito difícil dizer "toma, Deus, é sua". Mas eu consegui. Não sozinha, não com as minhas próprias forças, mas com Ele.

Não é fácil dizer não - a mim e às minhas vontades. Não é fácil ouvir as reclamações porque agora estou chata e careta. Não é fácil olhar meus amigos e não ter certeza se alguns deles continuarão do meu lado, porque deixei de ser interessante pra eles em muitos pontos. Não é fácil aceitar que eu não sou capaz de tomar as melhores decisões pra minha vida. Não é fácil - mas quem disse que seria?

Nesses pequenos passos no meu novo caminho, refleti bastante sobre quem eu era e quem eu precisava ser. Bastante mesmo. Um medo enorme de não ser um bom exemplo, de dizer e fazer coisas ruins, de tomar decisões precipitadas, de não manter a postura de vida cristã que pretendia. Algumas coisas me vieram à mente:

I- Se não for pra dizer algo construtivo, cale;
II- Ninguém te entende melhor do que aquele que te criou. Conte a ele sobre suas dúvidas, seus sonhos, seus planos, seus medos;
III- Aprenda a pedir perdão;
IV- Deus não está longe, no céu. Ele está com você, do seu lado, o tempo todo;
V- Se o que você quer fazer precisa ser feito escondido, então certamente você não deveria estar fazendo isso;
VI- Você não foi criado pra viver uma vida torta. Endireite-se;
VII- Você pode ser o único contato que alguém tem com o Evangelho. Seu discurso condiz com a sua prática?

Ser cristão nada tem a ver com soberba. É apenas a consciência de que há um Deus que me criou, que me ama e do qual eu dependo pra absolutamente tudo. É viver em amor e caridade. É ser luz, é ser sal, é me deixar guiar pelo único que me conhece ao ponto de saber a quantidade de fios do meu cabelo. Quer dizer, isso é o começo.

Você pode ter a casa repleta de amigos
Paredes e pisos cobertos de bens
Ter um carro do último tipo
E andar conforme der na cabeça
(...)
Mas sempre será como folha no vento
Esperando o momento de cair
Você pode ter tudo aquilo que sonhar
Mas nunca terá a paz que existe lá dentro
Que não se encontra pra poder comprar
Porque essa paz só tem a pessoa
Que se encontra com Cristo

Comentários

  1. Simplesmente lindo e verdadeiro. Li, gostei, e lerei novamente de forma mais minuciosa. Faço parte da sua torcida, da sua família terrena, da sua família espiritual, da sua lista de amigos sinceros. Te desejo o melhor, o que Deus tem planejado para você. Que o amor de Cristo te renove diariamente, minha prima e irmã.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte seu caso! :)

Postagens mais visitadas deste blog

O dilema do vestido

Se não fosse

É você que tem